Estilo de Vida


Pandemia do novo coronavírus pode causar impactos em longo prazo nos casos da doença de Parkinson

Evidências de epidemias passadas e pesquisas pré-clínicas sugerem que a pandemia de covid-19 pode ter um impacto duradouro na doença de Parkinson


Pandemia do novo coronavírus pode causar impactos em longo prazo nos casos da doença de Parkinson

Até 2040, a doença de Parkinson (DP) deve atingir mais de 14 milhões de casos em todo o mundo.

 

Veja também:

Exercícios físicos atenuam sintomas de Alzheimer e Parkinson

Musculação ameniza sintomas do Parkinson

Hidratar pele após os 50 reduz inflamação e risco de doença cardiovascular e Alzheimer, diz estudo

 

O cenário pode ser ainda mais agravante, uma vez que cientistas do Departamento de Neurologia e Neurocirurgia da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp) destacam que a pandemia da covid-19 poderia contribuir, por diferentes formas, com o crescimento exponencial da doença e consequentemente nos impactos econômicos e sociais relacionados.

Em artigo publicado pelo periódico científico Journal of Parkinson’s Disease (JPD), os pesquisadores discorrem que as potenciais manifestações neurológicas a longo prazo da infecção por covid-19 ainda são desconhecidas. No entanto, sintomas clínicos como perda de olfato, paladar e encefalite sugerem que o vírus Sars-CoV-2 pode ter a capacidade de invadir o sistema nervoso central.

“O aspecto interessante da hipótese da via olfativa para a neuroinvasão do Sars-CoV-2 é a presença potencial do vírus no tronco cerebral, que contém os núcleos respiratórios responsáveis pelo ritmo da respiração”, explica a autora sênior Carla Alessandra Scorza, professora da Disciplina de Neurociência do Departamento de Neurologia e Neurocirurgia da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp) – Campus São Paulo. Ela cita estudos que descobriram que pacientes com a forma grave da infecção por covid-19 eram mais propensos a desenvolver doença cerebrovascular aguda, bem como estudos que encontraram evidências de encefalopatia e hemorragia intracerebral em exames cerebrais de pacientes com a infecção.

As primeiras evidências de uma ligação potencial entre o novo coronavírus e a DP decorrem de uma epidemia de encefalite letárgica após o surto de influenza em 1918. Na ocasião, quase todos os pacientes que tiveram um surto de encefalite letárgica desenvolveram parkinsonismo pós-encefalítico, uma condição que se assemelhava ao quadro clínico da DP. A professora Scorza observa que, embora as evidências que ligam esse surto de influenza à patogênese do parkinsonismo tenham sido correlacionais, isso levou a novas investigações. Alguns dos principais sintomas motores e características histológicas da DP têm sido associados ao vírus influenza H1N1 e a outros vírus, como o Coxsackie, do Nilo Ocidental, da encefalite japonesa B e o HIV.

Embora os autores reconheçam que são necessárias mais pesquisas para entender o papel dos vírus na patogênese da DP, eles acreditam que os resultados sugerem que os vírus neurotrópicos e não neurotrópicos podem contribuir para o início da DP, diretamente pela presença física do vírus no sistema nervoso central, ou indiretamente, como, por exemplo, induzindo um processo inflamatório duradouro no cérebro.

Além disso, estudos anteriores in vitro descobriram que outros coronavírus humanos podem permanecer latentes nas células sanguíneas e, portanto, podem induzir infecções no sistema nervoso central posteriormente. Embora os sinais clínicos de parkinsonismo e DP não tenham sido associados a surtos anteriores de coronavírus, anticorpos para coronavírus foram detectados em amostras de líquido cefalorraquidiano em pessoas com DP.

Impactos econômicos e sociais

Os cientistas também especulam se os sobreviventes da covid-19 poderiam representar uma fração desproporcionalmente grande da futura população de pacientes com DP, levando a maiores impactos socioeconômicos. Embora as evidências ainda sejam inconclusivas, as pessoas que nasceram ou eram jovens na época do surto de influenza de 1918 tiveram um risco duas a três vezes maior de desenvolver a DP do que aquelas nascidas antes de 1888 ou após 1924.

O co-editor-chefe do Journal of Parkinson’s Disease (JPD), Patrik Brundin, do Instituto Van Andel, comenta: “Embora seja obviamente muito cedo para saber quais serão as consequências a longo prazo da covid-19 no cérebro, as comunidades de pesquisa em psiquiatria clínica e neurologia definitivamente precisam estar vigilantes no acompanhamento daqueles pacientes que se recuperaram de covid-19 moderado e grave para saber dos possíveis impactos futuros. Além disso, estudos realizados em animais experimentais indicam que outros vírus infiltrados no material genético (RNA) estão ligados aos aumentos acentuados da alfa-sinucleína no cérebro, acrescentando uma preocupação adicional a respeito dos efeitos a longo prazo do Sars-CoV-2 no cérebro “.

Observando que a DP já é o distúrbio neurológico de mais rápido crescimento, sustentado por uma população em envelhecimento contínuo, Daniella Balduino Victorino, autora e doutoranda do Departamento de Neurologia e Neurocirurgia da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp), adverte: “Como outras pandemias globais no passado, a pandemia de covid-19 provavelmente durará um período limitado. No entanto, já é hora de reconhecermos que a pandemia de DP não vai desaparecer tão cedo.Toda a ciência de ponta que busca vacinas e terapias viáveis contra a infecção por Sars-CoV-2 / covid-19 foi feita graças a uma tremenda quantidade de esforços científicos iniciais. No ano passado, por exemplo, enquanto o NIH destinou mais de US ﹩ 6 bilhões em pesquisas sobre doenças infecciosas, foram gastos menos de US ﹩ 300 milhões em pesquisas sobre DP. Os avanços nos estudos em DP dependem da destinação de mais recursos para esse campo de pesquisa”.




Clique aqui e veja todas as matérias

Veja Mais...








Clique aqui e veja todas as matérias