Estilo de Vida


‘Dermatite do celular’: aparelho favorece problemas de pele

Alergias acontecem por meio do contato com o níquel e cromo, dois componentes presentes em quase todo o celular


‘Dermatite do celular’: aparelho favorece problemas de pele

Passamos muito tempo de nossas vidas conectados a smartphones, já que substituímos o livro físico, a agenda de contatos, a câmera fotográfica e até mesmo a comunicação com as pessoas, pelos celulares. Toda essa exposição e uso excessivo dos dispositivos móveis tem aumentado a frequência de alguns problemas de pele, como rugas no pescoço (pela posição de olhar o celular), acne (pelo dispositivo carregar um alto número de bactérias e sujidades), manchas (pelo estímulo da produção de melanina pela luz visível do dispositivo) e, também, as alergias. Segundo especialistas, essa reação alérgica já vem sendo chamada de “dermatite do celular”.

“O cromo e o níquel são dois componentes presentes nos celulares que estão relacionados com o aumento do número de alergias na pele’, afirma Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Dermatite do celular

Foto: giuseppelombardo/ Shutterstock

Uso excessivo do aparelho pode causar “dermatite do celular”

Segundo a Associação Britânica de Dermatologistas, a alergia a níquel afeta 30% da população no Reino Unido e figura entre as dermatites de contato mais comuns. “E pior que o níquel está em quase todo o celular: na bateria de lítio (que traz níquel na composição) até o fio de ligação de cada chip (que é revestido com ele), passando pelo microfone, eletrônica e revestimentos decorativos”, explica a médica.

O contato prolongado com esses componentes é o que pode trazer alergia, com sintomas como irritações e vermelhidão na pele. “As regiões mais acometidas são: bochecha, orelha e nos dedos. Geralmente pacientes que usam o celular mais para ligações têm problema na face, enquanto os que usam mais para mensagens de texto ou aplicativos sofrem com a dermatite nos dedos”, afirma a médica.

Além do níquel, a dermatologista diz que outras substâncias, como a borracha e a pintura do celular, também estão envolvidas no processo alérgico, que pode provocar a irritação da pele. “Com toque contínuo, por horas e dias seguidos, esses componentes poderiam causar manchas vermelhas, placas na pele e coceira insistente”, diz.

Para se proteger, a médica diz que é necessário usar case e película no celular para evitar o contato direto com a substância. “Além disso, é recomendável bom senso no uso do celular, pois quanto menor o tempo de exposição, melhor será para sua pele. E, claro, percebendo qualquer alteração na pele, é necessário procurar um dermatologista para a indicação do melhor tratamento”, afirma a médica.

O tratamento pode ser feito por meio de cremes tópicos para alívio da vermelhidão e coceira. “Em casos mais graves, o médico pode avaliar e prescrever medicamentos orais para combater a inflamação ou aliviar a coceira, que pode ser intensa”, finaliza a dermatologista.

👉 Marcio Atalla dá dicas para manter a saúde da coluna nessa era de smartphones

Veja também
Cuidados com a pele dos 20 aos 50+
Extremos na dieta: comer demais ou de menos pode arruinar a beleza da sua pele, cabelo e unhas
Dermatologista lista 10 coisas importantes que todos precisam saber sobre o melasma, como evitá-lo e tratamentos




Clique aqui e veja todas as matérias

Veja Mais...








Clique aqui e veja todas as matérias